Revista Rua

2020-04-08T19:07:42+01:00 Descobrir, Viagens

Quinta de São Bernardo, na serenidade do Douro

As villas com piscina privativa são um dos ex-libris da Quinta de São Bernardo.
Andreia Filipa Ferreira8 Abril, 2020
Quinta de São Bernardo, na serenidade do Douro
As villas com piscina privativa são um dos ex-libris da Quinta de São Bernardo.

É na paisagem de Mesão Frio, em pleno coração do Douro Vinhateiro, que encontramos a Quinta de São Bernardo, uma farmhouse bem ao lado do rio e com a linha de comboio como vizinho intrometido. Com uma história rica em tradição familiar, a Quinta de São Bernardo é um íntimo refúgio de serenidade, uma escolha acertada para momentos de verão… e início de outono.

Quando chegamos à Quinta de São Bernardo, depois de já nos termos perdido de amores pelo vale do Douro que se vai estendendo aos nossos olhos, sentimo-nos perdidos na imensidão da natureza que abraça esta casa: as vinhas, as árvores de fruto, os animais, o rio que, por hora, se vê rasgado por cruzeiros várias vezes… A Quinta de São Bernardo é, à primeira vista, cenário perfeito para recarregar energias. Com sete quartos na casa principal e duas recentes villas com piscina privativa, um restaurante com petiscos bem portugueses e uma sala para provas de vinhos, este cantinho do Douro é muito mais do que um alojamento. É a vida em slow motion, numa tela cinematográfica pintada de verde e sem efeitos especiais. Apenas a boa e velha tradição do Douro.

Diogo e Marcela Monteiro são os anfitriões da Quinta de São Bernardo e recebem-nos com toda a vontade para contar a sua história: “Esta é uma quinta que está na família do Diogo há muitos anos. Era a casa do avô dele que, com o tempo, foi perdendo o uso. A família foi crescendo e, como não cabiam todos na casa principal, foi construído um anexo. E, quando o avô faleceu, a casa ficou fechada”, conta-nos Marcela, acrescentando: “Em 2015, eu e o Diogo pensamos mudar de vida e, depois de uma viagem pelos EUA, onde visitamos Napa Valley, percebemos que tínhamos algo realmente especial e não estávamos a aproveitar”. Deixaram então os seus trabalhos – Diogo era arquiteto e Marcela estava na área da moda – e começaram a aventura da Quinta de São Bernardo, no início de 2016. Rapidamente, a casa foi enchendo, principalmente de turistas estrangeiros que viam no Douro uma mina de paz e tranquilidade.

Funcionando por temporadas, de abril a final de outubro, a Quinta de São Bernardo mostra a riqueza do vinho do Douro, ali nas suas raízes, organizando provas orientadas pela sabedoria dos enólogos da casa, permitindo aos hóspedes – e aos curiosos que visitam a quinta (que são sempre bem-vindos) – descobrirem os encantos do néctar que cobre os socalcos. “A quinta tem a estação de comboios a 500 metros e isso permite-nos receber muitos visitantes que não estão hospedados connosco, mas que vêm passar o dia. Podem petiscar no nosso restaurante, participar nas provas de vinho, passear pelas vinhas…”, conta Marcela, ressalvando, no entanto, que a utilização da apetecível piscina é apenas para os hóspedes da casa.

Em termos de gastronomia, a Quinta de São Bernardo garante uma experiência bem ao modo do Douro, inspirada na máxima farm to table: um pequeno-almoço buffet, recheado de pão fresco, quiche ou compotas caseiras; um menu de almoço composto por pratos leves, como saladas, tostas, massas ou tábuas de presuntos; e uma ementa única ao jantar, ou seja, há apenas uma opção à escolha, mutável a cada dia. “Não temos um chef, temos uma cozinheira que, todos os dias, prepara um jantar tipicamente português, dando aos nossos hóspedes a possibilidade de provar as nossas iguarias”, explica Marcela.

“Diogo e Marcela Monteiro são os anfitriões da Quinta de São Bernardo, um refúgio que traz para dentro de portas toda a alma do Douro Vinhateiro.”

Já com muitas ideias no baú das vontades, Marcela e Diogo apontam a necessidade de criar mais atividades no interior da casa como um desafio para o futuro próximo. “Temos vontade de abrir a Quinta de São Bernardo durante o inverno, mas para isso precisamos de alargar o nosso leque de atividades. Quiçá um spa com uma zona de massagens ou outro salão de jogos, mas com vista… porque toda a gente quer a vista do rio!”, comentam. E, por falar nos benefícios do rio Douro, a construção de um cais que permita a chegada de hóspedes via barco é um dos anseios também. Enquanto aguardam as devidas autorizações, a Quinta de São Bernardo vai mantendo a alma do Douro em todos os pormenores. Neste verão, a sugestão passa por aproveitar os 15 hectares exteriores da quinta para os passeios de bicicleta e os piqueniques. Nós, que por lá tivemos oportunidade de passear, aprovamos a ideia!

Partilhar Artigo: