Revista Rua

2021-11-02T18:30:36+00:00 Radar, Sabores, Vinhos

Quinta do Pessegueiro: o destino perfeito para um outono no Douro

A paisagem multicolor das vinhas é apenas uma das várias atrações que tornam a Quinta do Pessegueiro num verdadeiro destino duriense.
Redação2 Novembro, 2021
Quinta do Pessegueiro: o destino perfeito para um outono no Douro
A paisagem multicolor das vinhas é apenas uma das várias atrações que tornam a Quinta do Pessegueiro num verdadeiro destino duriense.

Por Diana Ferreira

A Quinta do Pessegueiro, localizada em Ervedosa do Douro, São João da Pesqueira, é o local perfeito para aproveitar os dias mágicos de outono e as novas colheitas de vinho prontas para prova. Num programa de enoturismo dividido em três modalidades, esta quinta promete um mergulho no vale do Douro cheio de experiências regionais.

A paisagem multicolor das vinhas é apenas uma das várias atrações que tornam a Quinta do Pessegueiro num verdadeiro destino duriense. O programa de enoturismo inclui três modalidades: Visita Clássica, Douro e Prestígio. Nestas atividades, é possível conhecer as vinhas e a história da quinta e degustar os vinhos acompanhados pelos produtos regionais. Há, ainda, a oportunidade de conhecer os segredos de produção numa visita à adega, construída com as mais modernas tecnologias e de beleza arquitetónica única.

A Visita Clássica consiste numa viagem guiada à adega e a prova de três vinhos de Denominação de Origem Controlada (DOC), que tem uma duração de 45 minutos. A Visita Douro, por sua vez, para além do percurso pela visita à adega, inclui uma degustação de três vinhos DOC e dois vinhos do Porto durante uma hora e quinze minutos. Finalmente, a Visita Prestígio, que dura duas horas, proporciona uma visita guiada à adega e à vinha e uma prova de uma seleção especial de seis vinhos (DOC e Porto) com charcutaria local a acompanhar. Os vinhos da Quinta do Pessegueiro são fruto de um projeto completo e equilibrado, cujo segredo passa por intervir o mínimo possível, assegurar fermentações com leveduras indígenas e manter tanto quanto possível o vinho mais próximo da sua expressão original.

Todas as reservas devem ser marcadas antecipadamente e, no final da visita, os hóspedes têm a oportunidade de levar lembranças produzidas na quinta, como vinhos, mel e azeite.

Partilhar Artigo: