Revista Rua

2021-01-06T16:35:21+00:00 Cultura, Outras Artes

Reitoria da Universidade do Porto acolhe exposição retrospetiva de Volker SCHNÜTTGEN com curadoria da zet gallery

A inaugurar no próximo sábado, dia 9 de janeiro, às 10 horas, na Sala Comum da Reitoria da Universidade do Porto.
The Stairway to the Castle of your Heart, 2016
Redação6 Janeiro, 2021
Reitoria da Universidade do Porto acolhe exposição retrospetiva de Volker SCHNÜTTGEN com curadoria da zet gallery
A inaugurar no próximo sábado, dia 9 de janeiro, às 10 horas, na Sala Comum da Reitoria da Universidade do Porto.

Por Sofia Rodrigues

A exposição retrospetiva Da Pedra: experiências técnico-poéticas de um escultor, do artista Volker Schnüttgen com curadoria da zet gallery e apoio do dstgroup inaugura este sábado, dia 9, pelas 10 horas, marcando o arranque da curadoria artística da zet gallery para o ano de 2021.

A inaugurar no próximo sábado, dia 9 de janeiro, às 10 horas, na Sala Comum da Reitoria da Universidade do Porto, a exposição é uma homenagem ao artista alemão, que celebra 60 anos de idade e 35 de carreira, a maioria dos quais passados em Portugal, à qual a zet gallery e o dstgroup se associam.

Com curadoria 360º de Helena Mendes Pereira e de Bárbara Forte, da zet gallery, a exposição dá a conhecer conteúdos retrospetivos onde se incluem um livro e um documentário sobre Volker.

A expografia apresenta “uma inédita seleção de pequenas esculturas e projetos que refletem essa mesma presença da sua escultura no território comum da cidadania: o espaço público”, adianta Helena Mendes Pereira, diretora e curadora da galeria.

Além de escultura, a exposição convida a visitar uma seleção de fotografias e desenhos que recuam aos primeiros anos de trabalho do artista e perseguem a continuidade do binómio experimentação-poesia.

Da Pedra: experiências técnico-poéticas de um escultor tem a pretensão de “dar ao autor lugar de destaque na contemporaneidade artística como exemplo de combinação das ferramentas tradicionais da escultura com o sentido da vanguarda e dos limites que a obra de arte ultrapassa 35 de carreira, dos quais 30 passados em Portugal”, sublinha a curadora, propondo “um olhar, no tempo e no espaço, sobre um artista dos nossos afetos, dos nossos dias.”

A iniciativa decorre até 27 de fevereiro, podendo ser visitada de segunda a sexta, entre as 10h00 e as 12h30 e das 14h30 às 17h30, e aos sábados das 10h00 às 13h00.

O artista que trocou a Alemanha por Portugal por amor à pedra

Volker Schnüttgen nasceu na Alemanha há 60 anos, mas por amor trocou a pátria mãe por Portugal há, precisamente, 30 anos. Terá sido por amor à pedra e pela perspetiva de uma espécie de renovação criativa que viu acontecer no encontro com as pedreiras, nomeadamente, as pedreiras de granito do Norte de Portugal.

É também por isso que a Sala Comum da Reitoria da Universidade do Porto se apresenta como o espaço de celebração da obra de um artista que, num caminho que deambula entre a madeira, os metais e, sempre, a pedra, consegue manter vivo o princípio de exploração e de experimentação de diferentes materiais e tecnologias, nunca perdendo o espaço-tempo da poesia que consegue conferir aos objetos.

A obra de Volker Schnüttgen marca a cena artística nacional e internacional, muito para lá da bilateralidade que estabelece entre Portugal e Alemanha. Espanha, Suécia, Holanda, Moçambique, EUA ou o Irão são mais alguns dos territórios onde inscreveu as suas narrativas.

José Teixeira, presidente do conselho de administração do dstgroup, é um dos seus colecionadores mais representativos e é por isso com naturalidade que o grupo que também nasceu da “pedra” se associa a esta celebração artística em homenagem a Volker Schnüttgen.

Partilhar Artigo: