Revista Rua

2021-01-21T11:06:39+00:00 Radar

São Lourenço da Montaria vai acolher Observatório Internacional da Serra d’Arga

A Serra d’Arga é detentora de recursos naturais ímpares, de uma paisagem singular e com um património material e imaterial de ordem natural, ambiental, histórico e cultural.
Redação21 Janeiro, 2021
São Lourenço da Montaria vai acolher Observatório Internacional da Serra d’Arga
A Serra d’Arga é detentora de recursos naturais ímpares, de uma paisagem singular e com um património material e imaterial de ordem natural, ambiental, histórico e cultural.

Por Sofia Rodrigues

Um investimento de cerca de 200 mil euros vai permitir criar o Observatório Internacional da Serra d’Arga na freguesia de São Lourenço da Montaria, naquele que pretende ser um espaço de investigação científica, com disponibilidade de residência para investigadores. O projeto para a Qualificação das Experiências de Turismo de Aldeia no Minho – Observatório Internacional da Serra d’Arga surge no âmbito do Programa de Valorização Económica de Recursos Endógenos (PROVERE) – Minho INovação, numa candidatura ao Norte 2020.

O edifício onde ficará instalado o Observatório tem uma localização privilegiada em relação à montanha, colocando-se no sopé desta, junto à entrada da Serra d’Arga, mas simultaneamente perto do centro cívico de São Lourenço da Montaria. Contará com três pisos, entre espaços de trabalho, laboratório e alojamento, incluindo áreas de apoio. Os trabalhos de construção da nova valência iniciam ainda este mês, com um prazo de execução de seis meses, devendo estar concluídos até final de junho.

A Serra d’Arga é detentora de recursos naturais ímpares, de uma paisagem singular e com um património material e imaterial de ordem natural, ambiental, histórico e cultural de elevado valor, sendo de grande relevância a implementação do Observatório Internacional da Serra d’Arga.

Esta ação irá permitir a criação de instalações que vão acolher investigadores para a realização de diversos estudos nas mais vastas áreas de intervenção – geologia, fauna, flora, entre outras -, de modo a permitir a compreensão da identidade da Serra, explorando e aumentando o conhecimento do garrano, enquanto raça equídea autóctone dos sistemas montanhosos do Alto Minho que habita na Serra d’Arga, da biodiversidade, dos ecossistemas, do património geológico, da paisagem, designadamente os seus valores faunísticos e geológicos, a avaliação e valorização dos seus serviços de ecossistemas e da infraestrutura verde que esta constitui.

O projeto pretende ainda a exploração das funções que esta paisagem desempenha no contexto do desenvolvimento do turismo de natureza, de aventura, cultural e religioso e, ao mesmo tempo, potencia as condições de desenvolvimento de oportunidades para a valorização do espaço, das comunidades e da diversificação das atividades na gestão da paisagem da Serra d’Arga.

Partilhar Artigo: