Revista Rua

2020-12-10T12:31:22+00:00 Cultura, Fotografia

Sir Don McCullin: “É como se eu carregasse o sofrimento das pessoas que fotografei”

McCullin é um fotojornalista britânico conhecido pelo trabalho em locais de guerra e conflitos urbanos.
Don McCullin ©D.R.
Redação
Redação10 Dezembro, 2020
Sir Don McCullin: “É como se eu carregasse o sofrimento das pessoas que fotografei”
McCullin é um fotojornalista britânico conhecido pelo trabalho em locais de guerra e conflitos urbanos.

Sir Don McCullin nasceu em 1935 em Finsbury Park, Londres, uma área pobre e bastante dura na época. Deixou a escola aos quinze anos e sem qualificações McCullin inscreveu-se no Serviço Nacional da RAF como assistente de fotografia. Em 1959 McCullin tirou sua primeira fotografia publicada dos The Guvnors, um gangue de Londres que se tinha envolvido num assassinato. Esta imagem inimitável apareceu no The Observer nesse mesmo ano. Tudo isto, juntamente com a sua decisão baseada em nada mais do que sua própria intuição, McCullin vai para Berlim para fotografar o início da construção do Muro, o que garantiu um contrato com o The Observer em 1961.  

The Guvnors ©Don McCullin

Inicialmente o seu trabalho era baseado em projetos dentro da cidade de Londres, mas depressa as suas fotografias o levaram a percorrer o mundo, começando com a Guerra do Chipre, em 1964, marcando assim o início da sua carreira como fotógrafo de guerra.  

Entre 1966 e 1984, McCullin trabalhou para a revista The Sunday Times. Na época, o The Sunday Times estava na vanguarda do jornalismo investigativo e crítico. Durante esse período, as atribuições de McCullin incluíram Biafra, o Congo Belga, a Irlanda do Norte ‘Troubles’, Bangladesh e a guerra civil libanesa.  

O seu trabalho, ao projetar as realidades da guerra em milhões de salas de estar, contribuiu substancialmente para o crescimento do sentimento anti-guerra. Um dos motivos seria que as simpatias de McCullin era com as vítimas – os pobres, os desfavorecidos e os soldados de ambos os lados. “Passamos anos a fotografar soldados a morrer no Vietname, e eles não vão ter mais isso… temos que testemunhar. Não podemos simplesmente desviar o olhar”.

McCullin assumiu grandes riscos para conseguir as suas fotos: foi ameaçado com uma faca num posto de controle muçulmano em Beirute por ter um passe de imprensa falangista; cegado por gás lacrimogénio durante um motim em Derry e ferido por fragmentos de morteiro no Camboja. Mas o momento que mais o assustou foi quando foi preso por homens da Idi Amin, no Uganda, e levado para uma prisão onde matavam centenas de pessoas todos os dias com martelos. McCullin sobreviveu, mas com sequelas. Com a cabeça cheia de demónios, McCullin carrega o fardo pesado da dúvida e da culpa: “Às vezes parecia que estava a carregar pedaços de carne humana comigo e não negativos. É como se eu carregasse o sofrimento das pessoas que fotografei”.  

Nos anos mais recentes, McCullin continuou a viajar, fotografando em países como Índia, Síria e África, onde documentou a crise da SIDA. Mais recentemente, em 2017, Sir Don McCullin recebeu o título de cavaleiro na lista de Honras e, de 5 de fevereiro a 6 de maio de 2019, a Tate Britain apresentou uma grande retrospectiva do seu trabalho.  

McCullin recebeu vários prémios ao longo dos anos, incluindo dois prémios World Press Photo e o prémio Cornell Capa, pelo International Center for Photography de Nova Iorque, pela sua contribuição vitalícia à fotografia. Em 1993 foi o primeiro fotojornalista a tornar-se Comandante do Império Britânico. O trabalho de McCullin não só foi exibido em várias exposições, mas é apresentado em várias coleções de museus em todo o mundo. McCullin é hoje reconhecido como um dos maiores fotógrafos se sempre.  

Partilhar Artigo:
Fechar