Revista Rua

2018-08-24T12:42:15+00:00 Opinião

Sobre os desafios e responsabilidades do turismo

ECONOMIA
Sílvia Sousa
Sílvia Sousa
2 Julho, 2018
Sobre os desafios e responsabilidades do turismo

As férias, período de descanso consagrado na nossa constituição, tendem a ser associadas a uma mudança de contexto, de ambiente que nos transforma em turistas e logo em atores privilegiados de um dos sectores económicos mais dinâmicos do globo. Segundo os dados do World Travel and Tourism Council (WTTC), este sector tem, de forma consistente, criado empregos, liderado exportações e gerado riqueza. Um dinamismo que, no ano de 2017, se traduziu num contributo para o produto interno bruto global de 10.4%, para as exportações globais de serviços na ordem dos 30% e das exportações globais totais de 6.5%, representando 9.9% do emprego total, e num crescimento direto de 4.6%, ultrapassando o crescimento da economia global pelo sétimo ano consecutivo.

O extraordinário desempenho deste sector em termos globais, reflete-se e é reflexo do desempenho do sector no nosso país. De facto, Portugal destaca-se, entre quase duas centenas de países analisados pelo WTTC, como um país onde o turismo mais cresceu e ultrapassou o desempenho da economia como um todo. Os dados mais recentes, disponibilizados no portal do Turismo de Portugal, relativos aos valores acumulados no final do primeiro trimestre de 2018, sugerem a manutenção duma tendência positiva dos indicadores, designadamente, o aumento das receitas (+17.4%), dos proveitos (+14.0%), dos hóspedes (+7.7%) e das dormidas (+7.6%). E os prémios e as nomeações que Portugal arrecadou, em 2017, no âmbito dos World Travel Awards, com destaque para os prémios de World’s Leading Destination e Europe’s Leading Destination vêm corroborar o seu sucesso no nosso país.

Os dados mais recentes, disponibilizados no portal do Turismo de Portugal, relativos aos valores acumulados no final do primeiro trimestre de 2018, sugerem a manutenção duma tendência positiva dos indicadores, designadamente, o aumento das receitas (+17.4%), dos proveitos (+14.0%), dos hóspedes (+7.7%) e das dormidas (+7.6%)

Este sucesso, se, por um lado, legitima um papel central do sector na agenda política e económica, por outro coloca-lhe desafios acrescidos e atribui-lhe incontornáveis responsabilidades na mitigação dos seus potenciais impactos negativos nas comunidades de acolhimento e no meio ambiente.

Desafios e responsabilidade que radicam no facto do impacto económico do turismo extravasar os seus efeitos diretos na indústria hoteleira e de viagens, atendendo aos recursos necessários para a produção de serviços de turismo e de lazer, que englobam desde produtos agrícolas a produção industrial, incluindo bens de capital, construção e serviços públicos, implicando investimentos substanciais, públicos e privados, também em infraestruturas, tais como estradas, redes de transportes e de energia elétrica, e acesso a novos sistemas de comunicação. Desafios e responsabilidades que se traduzem no desenvolvimento de um turismo sustentável, não só do ponto de vista económico, mas também do ponto de vista socio- cultural e ambiental.

Se o turismo é particularmente importante no desenvolvimento das economias locais, pelas oportunidades de diversificação que gera, atraindo recursos económicos para áreas com possibilidades limitadas de desenvolvimento, promovendo assim a sua coesão, a concretização de tais oportunidades não poderá descurar o desafio de maximizar os benefícios económicos e sociais e a responsabilidade de minimizar os impactos negativos para as populações locais, designadamente para a sua qualidade de vida, preservando o património social, cultural, natural e arquitetónico dos destinos turísticos.

Sobre o Autor:
Economista, Universidade do Minho.

Partilhar Artigo:
Fechar