Revista Rua

2018-08-20T12:22:40+01:00 Gastronomia, Sabores

Tasquinha da Portela

Uma casa com o Minho dentro... e sabor a lampreia!
Andreia Filipa Ferreira2 Março, 2018
Tasquinha da Portela
Uma casa com o Minho dentro... e sabor a lampreia!

É com uma rota já trilhada por muitos que nos fizemos à estrada, rumo a Melgaço. O destino é Paderne, a freguesia onde Filipe Vieira nos aguarda para nos apresentar a sua Tasquinha da Portela. Num ambiente rústico, onde a tradição e a hospitalidade minhota são a característica principal, a Tasquinha da Portela é um recanto bem guardado de Melgaço, numa época marcada por uma especialidade que aguça a curiosidade dos visitantes: a lampreia. Mas nem só de lampreia se faz esta casa já com 11 anos. Vamos à descoberta?

Começamos pela razão da viagem. Proveniente do Rio Minho, a lampreia é uma iguaria que não deixa espaço para intermédios: ou se gosta ou se detesta! Na cozinha da Tasquinha da Portela, Ana Luísa é a responsável pela preparação do prato, o famoso Arroz de Lampreia. “O segredo está, em primeiro lugar, na limpeza do peixe. Como este é um peixe do rio, tem necessariamente de ser bem lavado para eliminar a viscosidade. Depois, tira-se a pele e estripa-se. Dá-se uns golpes e mergulha-se a lampreia em vinha-d’alho, ficando a repousar de um dia para o outro. Vai a cozinhar e, quando está quase pronta, é retirada, de modo a meter-se o arroz na panela. Quando o arroz está quase a ficar no ponto, volta a colocar-se a lampreia na panela. É necessário ir provando, para perceber se é preciso mais sal. De resto, é amor e carinho da parte da cozinheira!”, diz-nos Ana Luísa, revelando que o tempero suave é o segredo maior deste prato… mas esse fica mesmo no baú dos sigilos da Tasquinha da Portela.

Enquanto a lampreia não vai para a mesa, é tempo de conhecer melhor os cantos à casa. Com paredes em pedra e tetos em madeira, uma decoração cuidada e caseira e um sorriso simpático em cada funcionário, a Tasquinha da Portela preza a qualidade e frescura dos produtos que serve. Não é à toa que Filipe Vieira pede aos clientes que façam as suas encomendas. “Somos um restaurante de comida tradicional minhota: o cabrito, o Cozido à Portuguesa, as carnes barrosãs, a lampreia, o sável, o bacalhau (principalmente devido à enorme procura por turistas espanhóis, que normalmente ocupam 90% da lotação da casa). Os pratos sazonais, como a lampreia e o cabrito, funcionam por encomenda porque não são pratos que se confecionem e se possam congelar. O cabrito, por exemplo, demora horas a preparar. O carimbo da casa é apresentar sempre aos clientes comida fresca”, afirma o proprietário da Tasquinha.

Já na mesa, as entradas abrem-nos o apetite. Grelos com alheira e ovo, presunto, chouriço, espetadinhas com bacon, pêssego e salsicha e uma deliciosa broa caseira, recheada com queijo e nozes. As pataniscas são também estrelas na mesa, diariamente. O aguardado Arroz de Lampreia, acompanhado por um tradicional Alvarinho, preenche a refeição.  “Nós fazemos lampreia há oito anos e este ano tivemos pessoas que nunca cá tinham vindo comer lampreia e que voltaram para repetir: isso é sinal que está boa!”, garante Filipe.

A Tasquinha da Portela é uma casa com alma, bem no coração de Melgaço. Com uma história de resiliência, num edifício que remonta a 1776, este negócio familiar vai resistindo ao tempo, trazendo à mesa todo o paladar minhoto.

E, falando nesta carta diversa, vamos às sugestões do chef! Começamos com um Mergulho no Mar, uma sugestão que potencia o sabor do marisco numa época que, ao contrário do que a maioria possa pensar, está no pico do seu sabor nestes meses frios. Seguimos com uma Garoupa com vegetais, cogumelos da época, trompetas amarelas da região da Serra da Cabreira e outras plantas provenientes da horta da casa: salva-ananás e rebentos de ervilha. Numa sugestão de carne, o Lombo de Porco Ibérico, tenro e suculento graças a ter sido confitado a baixa temperatura, corado com azeite, alho e ervas aromáticas, acompanhado por puré de aipo, trufa e um molho feito à base dos ossos e das aparras da carne é a estrela deste menu. Para terminar, uma sobremesa que é uma homenagem às Tortas de Guimarães, um doce conventual. À base de chila, esta sobremesa é harmonizada com gelado de framboesa e inclui uma sopa de morangos. Com acompanhamento de pistácio e crumble de amêndoa, cremoso, esta sobremesa é apenas uma das propostas d’A Cozinha que lhe trará água à boca.

Partilhar Artigo: