Revista Rua

2021-11-12T12:03:43+00:00 Cultura, Teatro

Teatro Carlos Alberto recebe O Pecado de João Agonia

O espetáculo vai estar em cena até ao dia 21 de novembro.
O Pecado de João Agonia ©João Tuna
Redação12 Novembro, 2021
Teatro Carlos Alberto recebe O Pecado de João Agonia
O espetáculo vai estar em cena até ao dia 21 de novembro.

Por Diana Ferreira

O Teatro Carlos Alberto recebe O Pecado de João Agonia, encenado por João Cardoso, diretor artístico da companhia ASSéDIO. Trata-se de uma história trágica que aborda a repressão sexual, os preconceitos da sociedade e os dogmas da religião.

A peça O Pecado de João Agonia tem 60 anos desde a sua publicação e da sua consequente censura e passa-se num “lugarejo serrano e primitivo” de um “Portugal salazarento”. O seu autor, Bernardo Santareno, um dos maiores dramaturgos portugueses, escreveu a obra como forma de resistência e crítica ao que era norma e, também, aos bons costumes impostos pela ditadura.

A estreia d’O Pecado de João Agonia marca o reencontro de João Cardoso com a obra de Bernardo Santareno. O encenador já havia trabalhado uma peça de Santareno em 2017, intitulada A Promessa. Agora, tal como naquela peça, o público depara-se com a repressão sexual das personagens femininas e masculinas, os preconceitos da sociedade e da religião.

Enquanto A Promessa abordava a castidade, esta mais recente peça leva a debate a temática da homossexualidade. O Pecado de João Agonia conta a história de um jovem do interior da década de 60, que regressa a um “apertado círculo comunitário”, vindo da grande cidade de Lisboa. De nome João Agonia, nome que Santareno não deixou ao acaso, o protagonista vê o seu pecado desvendado após uma denúncia de um vizinho. Para que não restassem dúvidas da masculinidade dos homens da família Agonia e para limparem o seu bom nome, o destino de João foi traçado pelos seus entes queridos.

O espetáculo vai estar em cena até ao dia 21 de novembro, podendo ser visto de quinta-feira a sábado, às 19h00, e ao domingo, às 16h00. A récita de dia 14 de novembro terá tradução simultânea em Língua Gestual Portuguesa.

Partilhar Artigo: