Revista Rua

2021-01-21T14:00:58+00:00 Cultura, Teatro

Teatro Viriato apresenta nova programação reajustada à incerteza atual

O programa de janeiro a março completo já se encontra disponível no site no Teatro Viriato.
Redação21 Janeiro, 2021
Teatro Viriato apresenta nova programação reajustada à incerteza atual
O programa de janeiro a março completo já se encontra disponível no site no Teatro Viriato.

Por Sofia Rodrigues

Há largos meses que o Teatro Viriato tem vindo a trabalhar numa nova programação, que tem como vontade repensar o futuro na companhia de artistas e públicos. Dado o momento de incerteza atual, esse exercício terá de ser realizado com toda a elasticidade, recorrendo a diferentes plataformas e aos diferentes palcos.

“Em março passado não estávamos em sintonia com os tempos. Fomos apanhados de surpresa por uma pandemia e tentámos responder e perceber o que nos acontecia com todas as ferramentas que tínhamos. 2020 foi um desafio a vários níveis, um exercício de flexibilidade e de experimentação. Reabrimos o Teatro Viriato com novas regras sanitárias, adiámos concertos, ultrapassámos notícias duras, mas também brindámos a muitas estreias no nosso palco. O programa que preparámos para este trimestre já foi desenhado durante e para estes tempos que vivemos, tendo em conta que o tempo para a incerteza é um elemento prioritário na nossa agenda”, explica Patrícia Portela, diretora artística do Teatro Viriato.

Ocupando o espaço da possibilidade, até ao final de março, o Teatro Viriato irá acolher três estreias inteiramente criadas em Viseu, nomeadamente A fragilidade de estarmos juntos, de Miguel Castro Caldas, António Alvarenga e Sónia Barbosa, Aleksei ou a Fé, de Sónia Barbosa, e SENSO, de Fraga.

Estreias, que apesar do confinamento que vivemos continuarão a ser desenvolvidas, de acordo com as normas e indicações da Direção-Geral de Saúde e da Inspeção-Geral das Atividades Culturais.

Laboratórios dramatúrgicos, como End – Encontro Novas Dramaturgias, com direção artística e científica de Mickaël Oliveira ou as palestras-performance e oficinas para o público escolar como é o caso de Medo e Feminismos, do Teatro do Silêncio, são algumas das várias propostas que irão acontecer até ao final de março.

O Teatro Viriato contará ainda com novos projetos como é o caso de Blind Book Date, um projeto com a curadoria de Susana Cardoso, em parceria com as livrarias LeYa, em Viseu e a Poesia Incompleta, em Lisboa.

Esta é uma iniciativa que propõe ao público encontros às cegas com livros que são escolhidos pelos artistas.

“Todos os espetáculos, concertos e laboratórios podem continuar noutras plataformas, transformar-se em aulas ou em filmagens, prolongar-se no tempo, adiando as suas estreias, aumentando o tempo de pesquisa e não o compasso de espera. O que queremos dizer com isto, exatamente? Queremos dizer que em março de 2020 a prioridade era reagir, e fazer, mesmo que a quente, mesmo que de forma imprecisa, mesmo que com poucos meios, e manter o canal de comunicação entre artista e espectador sempre aberto, para que ambos falassem mantendo o diálogo. Queremos dizer que hoje não podemos programar como se não houvesse pandemia, como se não acordássemos todos os dias com uma incerteza muito grande, como se quiséssemos voltar atrás a um tempo que já não é como era. Nesta fase, na abertura de 2021 e em novo confinamento, o importante é aceitar a mudança, ouvir e ser ouvido, e criar espaços para nos transformarmos e para agirmos, conscientes, sobre essa transformação necessária e urgente”, acrescenta.

Tal como defende Patrícia Portela, “nesta fase, o Teatro Viriato será o casulo, o refúgio ou o laboratório”. “Se nem sempre a obra final chegar ao público, o seu trajeto e as suas ideias chegarão, para que haja sempre feedback e que entre o pingue pongue das conversas e diferentes tentativas possamos viver como se descobríssemos a pólvora todos os dias”.

Nesta nova programação, apenas dois espetáculos estão para já adiados. É o caso de Dino D’ Santiago, que foi reagendado para 16 de setembro de 2021, e The Show Must Go On, do coreógrafo Jérôme Bel.

No caso do concerto de Dino D’Santiago, os bilhetes previamente adquiridos mantêm-se válidos para a nova data. No entanto, o reembolso ou a troca dos mesmos por outro espetáculo também é possível, basta entrar em contacto com a bilheteira do Teatro Viriato, através do email bilheteira@teatroviriato.com ou através do contacto telefónico 924 454 409.

O programa de janeiro a março completo já se encontra disponível no site do Teatro Viriato.

Partilhar Artigo: