Revista Rua

2019-10-09T12:14:53+00:00 Radar

Viagem na história através da música

Redação
Redação9 Outubro, 2019
Viagem na história através da música

Texto: Inês Rodrigues

A 5ª edição do Festival Internacional de Órgão (FIO) regressa de 18 a 27 de outubro a Famalicão e Santo Tirso com uma agenda de concertos que tem como missão democratizar a música de órgão reunindo alguns dos mestres europeus.

Este festival volta a percorrer mosteiros e igrejas dos dois concelhos, reputados pela sua tradição em recuperação e produção de órgãos. Evento de entrada livre e gratuita, convida a uma viagem no tempo pelo som único do órgão.

A particularidade deste festival é homenagear a relação histórica entre órgãos e mosteiros ou igrejas, cuja acústica e cenário tornam cada concerto numa viagem multissensorial no tempo. O FIO traz até ao norte do país prestigiados músicos de toda a Europa – Portugal, Espanha, Itália e Alemanha, para concertos de órgão ou outros instrumentos, como violino ou harpa, acompanhados por órgão.

Os concertos terão lugar em seis mosteiros e igrejas, três em Famalicão e três em Santo Tirso, em órgãos autênticos. A abertura acontece a 18 de outubro, na Igreja Matriz de Fontiscos, em Santo Tirso, com o trio Favola D’Argo, cujo organista, o italiano Marco Brescia, é diretor artístico e um dos mentores do festival, juntamente com Joaquim Manuel Silva, da JMS Organaria. A acompanhá-lo estará Rosana Orsini (soprano) e Luciano Botelho (tenor).

Marco Brescia destaca o carácter inclusivo e o impacto do FIO 2019 na cultura de órgão em Portugal, nomeadamente na região Norte. “Ao longo destas cinco edições, reunimos mais de 5700 pessoas para ouvir música de órgão, visitamos 20 mosteiros e igrejas e entusiasmamos a renovação de oito órgãos existentes nestas paróquias. Este é um património único português – em Portugal há mais de 800 órgãos históricos, muitos a necessitar de intervenção, ficando só atrás de Espanha e Itália, no contexto europeu”.

“É por isso um orgulho trazer este elenco de músicos internacionais reputados para interpretarem repertórios históricos e tão especiais, nos nossos órgãos”, acrescenta Joaquim Manuel Silva, responsável pela JMS Organaria, empresa de Santo Tirso especializada em componentes e restauro de órgãos.

Programa completo e mais informações aqui.

Partilhar Artigo: