Revista Rua

2021-04-29T16:13:38+01:00 Atelier, Moda

Wethenot: a marca portuguesa minimalista e sustentável com peças essenciais

Assim que o cliente faz a sua encomenda, o tempo de produção das peças demora entre três a cindo dias úteis, dependendo do produto.
Fotografias ©D.R.
Redação29 Abril, 2021
Wethenot: a marca portuguesa minimalista e sustentável com peças essenciais
Assim que o cliente faz a sua encomenda, o tempo de produção das peças demora entre três a cindo dias úteis, dependendo do produto.

Wethenot é uma marca portuguesa, marcadamente minimalista, com propostas de vestuário e acessórios essenciais para o dia a dia. Produzida a partir de materiais de alta qualidade, a marca rege-se ainda por padrões que garantem a sustentabilidade e o menor impacto possível.

Fundada em 2010, por Sérgio Gameiro e Filipe Cardigos, a marca mantém um foco constante no conforto, na simplicidade e na sustentabilidade das peças, ao passo que toda a produção acontece localmente e em Portugal.

A sustentabilidade sempre foi uma preocupação da marca, desde a sua génese, tendo adotado, recentemente, um formato de produção made-to-order (feito por encomenda), na intenção de reduzir o desperdício. Os padrões de sustentabilidade acompanham ainda a seleção cuidada dos materiais usados para a confeção dos produtos, pelo que, sempre que possível, a marca recorre a materiais orgânicos, vegan e/ou reciclados.

A marca lançou recentemente a sua segunda coleção, que promove também a redução do desperdício têxtil, materializando-o consoante as encomendas feitas pelos clientes. Na gama de materiais, encontramos vários categorizados como premium, resistentes e sustentáveis. A nova coleção What If apresenta um pijama (disponível em duas cores), slippers, boxers shorts, tracksuit, bucket hat, tote bag, mochila e cinto.

Assim que o cliente faz a sua encomenda, o tempo de produção das peças demora entre três a cindo dias úteis, dependendo do produto requerido. O lançamento da nova coleção vem reforçar a filosofia da marca e os valores que a mesma defende desde sempre e que continuarão a ditar o futuro.

Partilhar Artigo: