Revista Rua

2019-07-19T12:11:46+01:00 Cinema, Cultura

Woodstock – Paz, Amor e Música…e algumas curiosidades!

Apresentação do novo filme/documentário sobre o festival com projeção única, dia 31 de julho
D.R.
Redação19 Julho, 2019
Woodstock – Paz, Amor e Música…e algumas curiosidades!
Apresentação do novo filme/documentário sobre o festival com projeção única, dia 31 de julho

Às 19h de dia 31 de julho será realizada no Cinema Ideal, em Lisboa, a projeção na íntegra da nova versão restaurada, expandida com 27 minutos de imagens inéditas e com o áudio remasterizado do filme/documentário de Michael Wadleigh que registou para a posteridade o Festival de Woodstock, o acontecimento que definiu uma geração e um dos momentos mais icónicos da história da música popular.

A projeção será aberta de forma gratuita ao público. Para assistir às sessões basta aos interessados enviarem um e-mail para festivalwoodstock50@gmail.com com a indicação do nome completo e quantidade de lugares pretendidos, sendo que os  lugares disponíveis estão limitados à lotação das salas.

50ºaniversário do Festival Woodstock

Este verão comemora-se o 50º aniversário do Festival de Woodstock. Esta efeméride é assinalada pela Warner Music com um conjunto significativo de novas edições em CD e reedições especiais limitadas em vinil de álbuns de artistas que atuaram no Festival.

Mas no entanto nunca ninguém tentou documentar o festival em tempo real. Foi precisamente para preencher esta lacuna que os produtores Andy Zax e Steve Woolard trabalharam vários anos no projeto Woodstock 50 – Back To The Garden, um conjunto de compilações em CD através das quais se fará uma reconstrução quase integral de Woodstock, com registos de atuações de todos os artistas que participaram no festival.

Curiosidades sobre Woodstock

Sobre o nome

O festival Woodstock ocorreu entre os dias 15 e 18 de agosto de 1969 e recebeu esse nome porque a ideia era que fosse realizado na cidade de Woodstock. Porém, as pessoas daquela cidade não aceitaram que o festival se realizasse ali e levaram o caso à justiça.

Por causa disso, o Woodstock acabou por ser transferido para os arredores de Bethel, também em Nova Iorque, uma cidade com pouco mais de 2500 habitantes.

Os bastidores

Inicialmente, os organizadores esperavam vender 50 mil bilhetes. As entradas eram comercializadas em lojas de discos e também enviadas pelos correios. Mas, no final das contas, foram contabilizados 186 mil bilhetes vendidos.

Só que os bilhetes também seriam vendidos à porta do festival. Por isso, a organização preparou tudo para um público estimado de 200 mil pessoas. Ou seja, quatro vezes maior que a estimativa inicial.

No entanto, o público real do Woodstock excedeu 400 mil pessoas. Por causa disso, faltou comida, espaço e casas de banho.

Os moradores das cidades vizinhas começaram a doar comida  para o público. Os alimentos, inclusive, chegavam ao local por meio dos helicópteros.

A grande dívida de Woodstock

Devido à grande afluência de público, a organização deixou de conseguir controlar a entrada das pessoas, ao ponto da entrada passar a ser gratuita.

Por isso, o Woodstock passou de um investimento para uma grande dívida. No final, a organização já devia mais de 1 milhão de dólares, dívida essa que só foi saldada dez anos depois. Para isso muito contribuiu a decisão de alguns cineastas produzirem um filme sobre o festival. Devido a esse filme, a dívida passou para metade.

As estrelas

Resumindo, o evento contou com a presença dos melhores músicos e cantores da época. Grandes nomes como Jimi Hendrix, The Who, Jefferson Airplane, Sly & The Family Stone, Santana, Grateful Dead, Creedence, Clearwater Revival e Janis Joplin & The Kozmic Blues Band passaram por lá.

A lenda Jimi Hendrix só conseguiu tocar na manhã de segunda-feira. Ou seja, no quarto dia de festival. Por causa disso, apenas 25 mil pessoas assistiram a este memorável concerto.

Por outro lado, muitas estrelas da música, apesar do convite, não apareceram para tocar no festival. Led Zeppelin, The Doors, Bob Dylan e The Beatles são bons exemplos. A banda The Doors, aliás, recusou participar por achar que o Woodstock seria uma imitação do Festival de Monterey.

Já a banda Led Zeppelin, por outro lado, não queria ser só mais uma banda de festival. Por isso, recusou o convite e decidiu fazer uma tournée a solo no mesmo ano do evento.

O cantor Bob Dylan também foi um dos que não apareceram. Na altura, ele justificou a ausência dizendo que seu filho ficou doente, mas chegou a admitir que não gostaria de ver um monte de hippies a acampar perto da sua casa.

O caso dos The Beatles foi um pouco mais dramático. Na época, a banda já estava separada e não dava concertos há três anos. John Lennon até chegou a pedir que a banda de Yoko Ono, a Plastic Ono Band, também participasse. No entanto, o presidente do Vietname da altura, Truong Tan San, não permitia viagens aos Estados Unidos, impedindo assim que o ex-Beatles e a sua mulher pudessem comparecer.

Snoopy & Charlie Brown

O festival Woodstock também influenciou o desenho animado criado por Charles Schulz. O pássaro amarelo, e fiel companheiro do beagle Snoopy, adotou o nome do evento. Schulz decidiu batizar o tal pássaro como “Woodstock” depois de ler um artigo sobre o festival na Time Magazine.

Partilhar Artigo: